Auxílio-doença (auxílio por incapacidade temporária)

  • Decreto 3038/99, Arts. 71 a 80
  • Lei 8213/91, Arts. 59 a 63
  • Benefício concedido ao segurado impedido de trabalhar por doença ou acidente por mais de 15 dias consecutivos. Para segurado empregado, os primeiros 15 dias são pagos pelo empregador, exceto o doméstico, e a previdência social paga a partir do 16º dia de afastamento do trabalho. Para os demais segurados inclusive o doméstico, a Previdência paga o auxiílio desde o início da incapacidade e enquanto a mesma perdurar
  • Necessária a comprovação da incapacidade em exame realizado pela perícia médica da Previdência Social
  • Exige carência, salvo acidente de qualquer natureza
  • A incapacidade pode ser total, mas precisa ser temporária. Quando o segurado tiver mais de uma função, essa incapacidade poderá ser permanente
  • Auxílio doença comum
    • “Código 31”
    • Requer carência
  • Auxílio doença acidentário
    • “Código 91”
    • Não requer carência
    • Decorre de um acidente de trabalho
  • O segurado que está em gozo de auxílio doença, poderá ter direito a uma reabilitação profissional
    • TEMA 177 da TNU
    • O INSS vai eleger os segurados que precisam passar pela reabilitação profissional
    • Súmula 25 da AGU: “Será concedido auxílio-doença ao segurado considerado temporariamente incapaz para o trabalho ou sua atividade habitual, de forma total ou parcial, atendidos os demais requisitos legais, entendendo-se por incapacidade parcial aquela que permita sua reabilitação para outras atividades laborais.”
    • Informativo 623 do STJ: Segurado não precisa estar incapacitado para todo e qualquer trabalho para ter direito ao auxílio-doença.
    • Incapacidade temporária e parcial: não é necessário reabilitação profissional
    • Incapacidade permanente e total para a função que era exercida: será necessária a reabilitação profissional para que a pessoa consiga exercer alguma outra função
  • Lei 13683 trouxe algumas alterações. A mais substancial foi em relação ao preso
    • Antes, o preso, independentemente de seu regime, tinha direito a percepção do auxílio doença
    • Agora, o preso em regime fechado não tem direito de receber auxílio doença
    • Mas, isso é diferente do preso que já gozava do auxílio doença e foi preso em regime fechado. Nesse caso, o benefício dele será suspenso por até 60 dias
    • O preso em regime aberto ou semi-aberto mantém o benefício
  • Quando o segurado tiver mais de uma função, poderá trabalhar e receber auxílio-doença
  • Súmula 26 da AGU: “Para a concessão de benefício por incapacidade, não será considerada a perda da qualidade de segurado decorrente da própria moléstia incapacitante.”
    • Se a doença teve início quando a pessoa ainda era segurado, será possível pleitear o auxílio doença mesmo depois da perda da qualidade de segurado
    • Então, será preciso analisar o início da incapacidade: se ela ocorreu antes ou depois da perda da qualidade de segurado
  • Lei 13982 de 02/04/2020
    • Lei que trata da antecipação do auxílio doença por causa do COVID-19
    • Autoriza o INSS a antecipar um salário mínimo mensal , a título de auxílio doença, por 3 meses
    • Se destina àquelas pessoas que estão aguardando o retorno das perícias
  • Em relação ao valor do auxílio doença: 91% do salário de benefício
    • A emenda 103 diz que você vai pegar os 12 últimos salários de contribuição, fazer uma média para encontrar o valor do salário de benefício
Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *